Archive for Festas e Comemorações

É o morango aqui do sudeste!!!

Tem coisa mais cara de interior do que uma festa que exalte a produção local. Uma fruta, um tipo de gado ou uma comida. Qualquer coisa que ganhe notoriedade. Pode ser fama mundial, nacional, regional ou apenas municipal mesmo, não importa. Haverá uma festa para comemorar.

 

Quem quiser conhecer um bom exemplo pode visitar a tradicional Festa de Flores e Morangos de Atibaia, que está em sua 27ª edição. A festa acontece nos dias 7, 8, 9, 14, 15, 16, 21, 22 e 23 de setembro, das 9h às 18h, no Parque Municipal Edmundo Zanoni, que fica na avenida Horácio Neto.

 

Mais informações sobre a 27ª Festa de Flores e Morangos de Atibaia no site www.festadasfloresdeatibaia.com.br ou pelo telefone 0800-555979.

Comments (1) »

Dia do Folclore

Em 22 de agosto, o Brasil comemora o Dia do Folclore. A data foi criada em 1965 através de um decreto federal. No Estado de São Paulo, um decreto estadual instituiu agosto como o mês do folclore.

Folclore é o conjunto de todas as tradições, lendas e crenças de um País. O folclore pode ser percebido na alimentação, linguagem, artesanato, religiosidade e vestimentas de uma nação.

É o modo que um povo tem para compreender o mundo em que vive. Conhecendo o folclore de um País, podemos compreender o seu povo. E assim conhecemos, ao mesmo tempo, parte de sua História. Mas para que um certo costume seja realmente considerado folclore, dizem os estudiosos que é preciso que este seja praticado por um grande número de pessoas e que também tenha origem anônima.

Qual a origem do folclore brasileiro?
O folclore brasileiro, um dos mais ricos do mundo, formou-se ao longo dos anos principalmente por índios, brancos e negros. Saiba mais:

Região Sul
Danças: congada, cateretê, baião, chula, chimarrita, jardineira, marujada.
Festa tradicionais: Nossa Senhora dos Navegadores, em Porto Alegre; da Uva, em Caxias do Sul; da Cerveja, em Blumenau; festas juninas; rodeios.
Lendas: Negrinho do Pastoreio, do Sapé, Tiaracaju do Boitatá, do Boiguaçú, do Curupira, do Saci-Pererê.
Pratos: churrasco, arroz-de-carreteiro, feijoada, fervido.
Bebidas: chimarrão, feito com erva-mate, tomado em cuia e bomba apropriada.

Região Sudeste
Danças: fandango, folia de reis, catira e batuque.
Lendas: Lobisomem, Mula-sem-cabeça, Iara, Lagoa Santa.
Pratos: tutu de feijão, feijoada, ligüiça, carne de porco. Artesanato: trabalhos em pedra-sabão, colchas, bordados, e trabalhos em cerâmica.

Região Centro-Oeste
Danças: tapiocas, congada, reisado, folia de reis, cururu e tambor .
Festas tradicionais: carvalhada, tourada, festas juninas.
Lendas: pé-de-garrafa, Lobisomem, Saci-Pererê, Ramãozinho.
Pratos: arroz de carreteiro, mandioca, peixes.

Região Nordeste
Danças: frevo, bumba-meu-boi, maracatu, baião, capoeira, caboclinhos, bambolê, congada, carvalhada e cirandas.
Festas:: Senhor do Bonfim, Nossa. Senhora da Conceição, Iemanjá, na Bahia; Missa do Vaqueiro, Paixão de Cristo, em Pernambuco; romarias – destaca-se a de Juazeiro do Norte, no Ceará.

Região Norte
Danças: marujada, carimbó, boi-bumbá, ciranda.
Festas: Círio de Nazaré (Belém), indígenas.
Artesanato: cerâmica marajoara, máscaras indígenas, artigos feitos em palha.
Lenda: Sumaré, Iara, Curupira, da Vitória-régia, Mandioca, Uirapuru. Pratos: caldeirada de tucunaré, tacacá, tapioca, prato no tucupi.

http://educaterra.terra.com.br/almanaque

Comments (7) »

Erudito e popular voltam a combinar sons no Festival Vale do Café, no Sul Fluminense

Sugestão do leitor Maurício Cintrão 

Entre 20 a 29 de julho, concertos, shows e folguedos populares agitam a região de Vassouras (RJ)

Depois de receber mais de 350 mil pessoas nas quatro edições anteriores, o Festival Vale do Café apresenta este ano, de 20 a 29 de julho, uma nova mistura de instrumentos e ritmos em um dos mais lindos recantos do Estado do Rio, a região da cidade de Vassouras.

Patrocinado com base na Lei Rouanet e Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Rio de Janeiro, o Festival é apoiado pela NovaDutra (CCR Cultura nas Estradas), Embratel, Unibanco, Light e Ministério da Cultura.

A exemplo das edições anteriores, serão promovidos concertos, palestras, cursos, “rodas de causos” e cortejos nas igrejas, tendo como cenário o Vale do Paraíba sul fluminense com seus casarões, praças e fazendas. Participam as cidades de Vassouras, Piraí, Mendes, Barra do Piraí, Paulo de Frontin, Paty do Alferes e Valença.

Programação eclética
A programação de concertos e shows – em torno de 40 apresentações – tem grandes nomes nacionais e internacionais como o pianista Athur Moreira Lima, a harpista Cristina Braga, os violonistas Turíbio Santos e Marcel Powell (filho de Baden Powell).

Entre as manifestações populares, destacam-se o Cortejo de Tradições, com os blocos Abre Alas de Rezadeiras, Calango, Jongo, Folia de Reis, Capoeira, Maculelê e Caninha Verde, com música especialmente composta por Ricardo Medeiros e Cristina Braga.

O Festival apresentará, ainda, vários artistas da Música Popular Brasileira, como o violonista e compositor Guinga, o saxofonista Leo Gandelman, o guitarrista Victor Biglione e o chorinho do Regional Carioca, entre outros.

Muitos concertos serão realizados em fazendas históricas da região, como Cachoeira Grande, Taquara, Pau Grande, Santo Antônio, Galo Vermelho, Mulungu Vermelho, São João da Barra e São Fernando. Algumas apresentações se darão no interior de capelas e igrejas. E shows populares acontecerão em praças públicas.

Gastronomia
A chef Diana Mario, do restaurante Summer Garden, em Miguel Pereira, apresenta “A Degustação do Cardápio dos Barões”, inspirado no jantar que a filha do Barão de Vassouras ofereceu à princesa Izabel e ao Conde d’Eu, na Fazenda Cachoeira Grande, em 1884.

O famoso Chef Jos P. Boomgaardt, premiado na Holanda com duas estrelas no Guia Michelin, prepara na sua Vivenda Les 4 Saisons, em Engenheiro Paulo de Frontin, um menu especial para o Festival, inspirado em Grandes Compositores, como Vivaldi, Villa Lobos e Mozart.

O Grupo Vassouras Gourmet que engloba 15 restaurantes, criou pratos especiais homenageando os barões do café. Durant as refeições, guias-mirins contarão as histórias de cada um deles. Alguns dos principais concertos vão unir música e gastronomia.

Em matéria de hospedagem, os hotéis e pousadas são rústicos e agradáveis. Desde as mais afastadas, como o Hotel Fazenda Galo Vermelho, o Hotel Paineiras, Casa do Manequinho, Cheiro de Mata, Vale do Embaúba, aos mais urbanos e tradicionais, o Gramado da Serra, e a Pousada Bougainville, a oferta é variada.

Público cativo
No ano passado o Sebrae desenvolveu uma pesquisa e constatou um altíssimo grau de fidelização do público: 80% voltou pelo menos duas vezes ao Festival, e aprovou o programa artístico-histórico. Quando indagados quanto ao principal motivo de sua viagem/visita à região do Vale do Café, o Festival apareceu em 80% das respostas.

O Festival inaugurou em 2003 uma nova rota que reúne a grande música, a história preservada, a natureza e a vida cultural de uma das mais belas regiões do país. A quinta edição vem apenas confirmar a deliciosa aventura cultural e turística que ele oferece. Mais informações em http://www.festivalvaledocafe.com/

Além das empresas NovaDutra (CCR Cultura nas Estradas), Embratel, Unibanco e Light, que patrocinam o evento por meio de Lei Rouanet, com o apoio do Ministério da Cultura, a 5ª edição do Festival Vale do Café conta com os apoios das seguintes empresas e instituições: Café Favorito, Volkswagen Caminhões, BR Distribuidores, Universidade Severino Sombra, Governo Federal e prefeituras de Vassouras, Piraí e Engenheiro Paulo de Frontin, além de comerciantes locais.

Quanto custa
Algumas apresentações são gratuitas. Outras têm ingressos que variam de R$ 50,00 a R$ 70,00, pelo site Ticketronics http://www.ticketronics.com.br,/ ou pelos postos de venda. Mais informações Secretaria de Cultura de Vassouras – (24) 2491 9000 ramal 9044 e 9076.

Mais informações: site oficial do evento – http://www.valedocafe.com/

Comments (1) »

São José dos Campos promove folclore e artesanato regional

Começa nesta quarta-feira (04) a 6ª edição anual do Revelando São Paulo – Vale do Paraíba, evento que visa revigorar a produção cultural regional, reunindo mais de 50 municípios do Vale do Paraíba, Litoral Norte, Vale do Ribeira e Grande São Paulo. 

Estarão presentes representes de grupos de cavalhada, jongo, catira e moçambique, além de mostra com o que há de melhor no artesanato popular e variado cardápio com pratos da culinária regional.

O Revelando São Paulo – Vale do Paraíba acontece entre os dias 04 e 09 de julho, das 09h00 às 21h00, no Parque da Cidade “Burle Marx”, em São José dos Campos (SP), cidade localizada a cerca de uma hora de carro da Capital.

Com apoio cultural da NovaDutra (Programa CCR Cultura nas Estradas), por meio da Lei Rouanet, o Revelando é uma promoção da Abaçaí Cultura e Arte, com o apoio da Secretaria de Estado da Cultura, Prefeitura Municipal de São José dos Campos e Fundação Cultural Cassiano Ricardo.

Serviço:

Revelando São Paulo – Vale do Paraíba

Data: 04 a 09 de Julho

Local: Parque da Cidade “Roberto Burle Marx” – Av. Olivo Gomes, s/n – Santana – São José dos Campos – SP

Entrada franca

Como chegar

O evento localiza-se a cerca de 4 kms da Dutra, em São José dos Campos, à esquerda de quem segue para o Rio. O usuário deve ir pela Via Dutra até a saída 152, cruzar a rodovia pelo viaduto que passa sobre ela e ir em direção ao anel viário. No anel viário, seguir as placas marrons que indicam São Francisco Xavier e Parque da Cidade. 

Pela Dutra, o pedágio é mais barato

Sentido SP-Rio

Parateí Norte – Arujá/SP (km 204) – R$ 3,60 (carro de passeio) e R$ 1,80 (moto)

Jacareí – Jacareí/ SP (km 165) – R$ 3,30 (carro de passeio) e R$ 1,60 (moto)

Sentido Rio-SP

Jacareí – Jacareí/ SP (km 165) – R$ 3,30 (carro de passeio) e R$ 1,60 (moto)

Parateí Sul – Guararema (km 180) – R$ 3,60 (carro de passeio) e R$ 1,80 (moto)

Sobre a NovaDutra: A rodovia Presidente Dutra, com 402,2 quilômetros de extensão, liga as duas regiões metropolitanas mais importantes do País: Rio de Janeiro e São Paulo, abrangendo uma região altamente desenvolvida, que responde por cerca de 50% do PIB brasileiro.  Segunda empresa a fazer parte do Sistema CCR, a NovaDutra tem 10 anos de existência e foi a primeira grande concessionária de rodovia do País.

Sobre a CCR: A Companhia de Concessões Rodoviárias (CCR) é a líder na administração de rodovias na América Latina, com um total de 1.452 quilômetros, o equivalente a 15% das rodovias concedidas no Brasil. Criada em 1998, controla seis concessionárias: Ponte Rio-Niterói, (RJ), NovaDutra (SP-RJ), ViaLagos (RJ), RodoNorte (PR), AutoBAn (SP) e ViaOeste (SP).

Fonte: Nova Dutra

Comments (4) »

Corpus Christi

Tapete de serragem colorida à espera do cortejo. Depois escrevo mais sobre o assunto e coloco novas fotos.

Corpus Christi em Atibaia

Corpus Christi

Corpus Christi

Leave a comment »

Você sabia…

… que a fogueira de Santo Antônio é quadrada, a de São João tem que ser redonda e de São Pedro deve ser triangular?

… que a época das festas juninas coincidem com a colheita do milho e os pratos derivados do grão são uma forma de agradecimento pela boa colheita. Dá-lhe milho cozido, pamonha e canjica.

 

Comments (3) »

Junho está chegando…

Maio está acabando e deixa aquele friozinho típico que antecede o inverno. Neste ano o outono está menos azul celeste e mais rigoroso. Para esquentar, uma boa pedida é o quentão ou vinho quente. De preferência em volta da fogueira, dançando quadrilha.

As festas juninas, que no interior se concentram na praça da Matriz, são tradicionalmente homenagens a santos católicos. Dia 13 de junho, o casamenteiro Santo Antônio reúne as moças solteiras (e aquelas nem tão moças assim também) em busca de marido. Além de promessas e simpatias, há até quem pule a fogueira para casar. No dia 24, o mais famoso de todos é o homenageado. Salve São João e as festas joaninas. Para fechar o mês com chave de ouro, dia 29 é dia de São Pedro (entendeu? chave – São Pedro/ São Pedro – chave).

Praça da Matriz, em Atibaia (SP)

Festa Junina na Praça da Matriz - Atibaia/SP

Festas que mesclam o cristão e o pagão, os antigos celtas, bretões, egípcios, persas, entre outros já faziam fogueiras nesse período como ritual de invocação da fertilidade para que houvesse fartura nas colheitas, foram trazidas para o Brasil pelos portugueses no século XVI e fizeram enorme sucesso.

Espalhadas em todas as regiões do país, cada uma com sua peculiaridade. Algumas hoje tem fama nacional como a de Caruauru (PE) ou Campina Grande (PB). Mas os elementos essenciais a esses festejos estão em todas, são as comidas e bebidas típicas (povo do interior adora uma festa com comida típica). E então se tem pamonha, cural, milho cozido, canjica, pipoca, paçoca, arroz doce, pinhão, batata doce, pé-de-moleque, bolo de fubá, quentão… 

“Capelinha de Melão

  é de São João

  É de cravo, é de rosa,

  é de manjericão

  São João está dormindo

  Não acorda, não.

  Acordai, acordai, acordai João”

 (Braguinha e A. Ribeiro)

 

Comments (5) »

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.